15 de fevereiro de 2009

Todos na mesma viagem


Tomar um ônibus, pegar a condução, ir de busão, tudo a mesma coisa, e milhões de pessoas se deslocam diariamente através desse meio de transporte. Porém, as irregularidades nesse sistema são constantes e se aplicam a diversas regiões brasileiras.
Não faz muito tempo, num dia de chuva, eu esperava meu ônibus no ponto. Hora do rush! A inexpressividade da frota que faz a linha do meu bairro, me fez esperar por mais de vinte minutos no ponto. Isso, na hora do rush é inconcebível, afinal, as pessoas querem ir pra casa após um longo dia de trabalho.
O ônibus veio. Lotado, é óbvio. A passagem? Cara. Dois reais por apenas quinze minutos de viagem. Se compararmos isso com os preços e o trajeto feito pelos ônibus dos grandes centros, como o Rio de Janeiro, podemos deixar até correr uma lágrima pelo rosto ao entregar aquela esfolada cédula azul da tartaruga marinha.
As poltronas... bem... não sei se eram macias, pois fiquei o trajeto todo de pé. De um pé, digamos. Era tão apertado o espaço que dispunha pra mim que tinha que me equilibrar sobre uma das pernas, segurar na haste superior de metal que estava completamente empoeirada, aguentar um sovaco no meu ombro e espantar um pernilongo com assopros.
Pessoas amontoavam-se antes e depois da roleta (catraca, borboleta, como quiser). Pessoas escoravam-se nas portas do ônibus. E, por mais impressionante que possa parecer, o motorista continuava a parar nos pontos quando algum pedestre fazia um sinal. Talvez ele fizesse isso pelo simples prazer em ver a indignação de quem, logicamente, não conseguia embarcar.
O aroma de suor, calça jeans molhada e chulé de criança saída da escola completavam o clima do agradável ambiente.
Dizem que os idosos acima de 65 anos e crianças até a quarta série têm passagem gratuita, porém já pararam pra pensar o porquê da nossa passagem ser tão cara? Pois é, existe uma coisa que eu gosto de chamar de "pagar o pato". Ônibus lotado pra garantir a despeza com todos os velhinhos e crianças melequentas.
Gente não é carga. Ônibus não é lata de sardinha. Dinheiro não é capim. A situação é revoltante, mas continuo preferindo um ônibus lotado a um carro com um só passageiro.

2 comentários:

Zero disse...

nossA!!!

uma vez num onibus que eu tava, um garoto estava literalmente com a perna pra fora do onibus, detão lotado que ele tava!!!

tipo assim, o mais legal de andar de onibus é o fato de como a gente as vezes sai dele como num passe de mágica. Você dá o sinal, se vc não se segurar, em segundos vc já tá do lado de fora com a freiada brusca que o barbeiro dá...xD

ah, tbm gosto do contato físico, sabe, com essa vida corrida a gente num tem tempo nem pra fazer sexo, então ser bolinado e bolinar, as vezes pode ajudar nessa vida monotona! xD

clima temperado esse... xD

abraçO

Palavras, Poeiras e Pensamentos disse...

El Niño,
Primeiro, obrigada pela visita ao meu blog.
Fiquei curiosa com o nome do seu blog, será q algum dia o tempo pode ficar bonito, assim sair um sol maravilhoso q ta fazendo hj??rs

Realmente andar em ônibus, metro qlq coisa lotada é uma "benção". Confesso que ultimamente tenho pago até 6,00 para chegar em casa. Fico supresa como tenho sido capaz às vezes em perder 20,00 num único dia de trabalho só para ter uma sobrevida ao final do dia. Pq do trânsito infelizmete não posso fugir.
Agora, ZERO, gostar do contato "físico" q isso, vc é um rapaz jovem, acredito q até bonito, vc nao precisa disso! rsrs